Mind the Glass

Vinhos Verdes – 13% – PVP: 6,5 Euros – Nota: 90/18 – 91/18

Poucas coisas me entusiasmam mais, como enófilo e crítico de vinhos, do que uma surpresa capaz de me fazer mudar de opinião. Com a prova deste vinho fui absolutamente surpreendido não pelos aromas característicos da casta mas, em primeiro lugar, pela cor mais pálida deste vinho. Afinal, quantas referências da casta Vinhão conhecemos que tenham uma cor aberta?

Num segundo momento fui surpreendido pelas sensações texturadas no palato, em especial, pelos taninos ásperos mas muito longe dos tradicionais verdes e cheios de adstringência a que a maioria das referências nos habituou.

Em suma, estamos perante um vinho cheio de garra, personalidade e, acima de tudo, elegância. Esta é a melhor referência da casta que já provei.

Projeto: A região de basto é a ancora do projecto, que pelas ligações familiares levou à criação das marcas Turra e Fonte da Cobra. O projeto dispõe de 15 hectares de vinha no total com predominância para a Azal, Arinto, Alvarinho, Fernão Pires e Vinhão.

A marca Turra foi a pioneira sendo a homenagem ao animal de estimação que tem acompanhado o projeto desde o início. Em 2018 foi lançada a nova marca Fonte da Cobra. O nome provem da fonte existente na Quinta da família (fonte da cobra), sendo a sua origem do início do século XVII.

Casta: Vinhão

Aspeto: Intensidade média e rubi granada.

Nariz: Intensidade média, geleia de morango, groselha, mirtilo, amora, leve caruma, terra e pedra molhada.

Boca: Seco, tanino áspero, tanino redondo, acidez alta, álcool médio, corpo médio(+), intensidade média(+), geleia de morango, amora, framboesa e final longo.

Produtor: Turra

Condição de Prova: Sem acompanhamento de comida. Ao almoço.

Capacidade: Standard (0,75 L)

Temperatura de Serviço: 14º – 18 º

Data de prova: 11/5/2019 – 7/11/2020

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.