Malvasia Fina

RIEDEL Garrafeira Fernando's Garrafeira Fernando's
Credits: Vine to Wine Circle


Ficha da Casta

Variedade

Branca

Sinonímia

Arinto do Dão, Assario, Assario do Dão, Boal, Boal Branco, Boal Cachudo, Boal da Graciosa, Boal da madeira, Cachudo, Galego, Gual (Espanha), Terrantez do Pico e Torrontés (Espanha)

Variedades erradamente identificadas com a Malvasia Fina

Arinto de Bucelas, Boal Ratinho, Dona Branca, Folgasão, Rabigato, Sémillon, Síria e Vital.

Origens

A origem da casta está por determinar mas Rolando Faustino encontrou uma maior diversidade genética no Douro. No entanto, não excluiu a possibilidade desta ter surgido no Dão ou até mesmo em Lisboa.

Uma outra hipótese em estudo é a origem romana ou grega. Um dos partidários desta possibilidade foi o Conde Odart.

A primeira menção foi realizada por Herrera em 1515 e posteriormente Rui Fernandes menciona-a na obra “Descrição do Terreno duas Léguas em roda da cidade de Lamego, em 1532.

Características

A casta apresenta um vigor médio/elevado e uma produtividade elevada (8 a 14 T/Ha). O cacho é médio/grande, comprido e de forma cónica. O bago é pequeno e de película medianamente espeça. A casta é bastante sensível ao oídio, ao míldio e à botritis.

Regiões de Maior Relevância e Expansão

No ano de 2018 estava plantada em 2295 Hectares ocupando cerca de 1% da área total de vinha Portuguesa. A casta estava muito implantada a Norte de Portugal, especialmente no Douro, Dão e Trás-os-Montes com 1158, 379 e 299 hectares, respetivamente. Na região do Tejo encontrava-se em 96 hectares.

Na ilha da Madeira, a casta assume o nome de Boal e é cultivada maioritariamente cultivada entre a Calheta e a Ribeira Brava. Em 2010, a área de cultivo desta casta era de 20 hectares.

Credits: Vine to Wine Circle

Parentalidade

De acordo com os estudos realizados por Lopes, a casta Boal Ratinho foi obtida através do cruzamento da Malvasia Fina e da Síria.

Notas de Prova

Os vinhos tem uma cor pouco intensa, aromaticamente discretos, pouco intensos, razoavelmente frescos e medianamente complexos.

Fontes

  • Böhm, Jorge (2007), Portugal Vitícola – O Grande Livro das Castas, Chaves Ferreira Publicações, Lisboa
  • Robinson, Jancis; Harding, Julia; Vouillamoz, José (2012), Wine Grapes: A Complete Guide to 1,368 Vine Varieties, including their Origins and Flavours, Penguin Group, Londres
  • https://www.ivv.gov.pt (26 de março de 2020)



Deixe uma resposta