Gouveio

RIEDEL Mind the Glass
Credits: Vine to Wine Circle

Ficha da Casta

Variedade

Branca

Sinonímia

Agodenho, Agudanho, Agudelha, Agudelho, Agudelha, Godello (Espanha), Godelho, Godenho, Ojo de Gallo (Espanha), Picudo Blanco (Espanha), Trincadente e Verdelho do Dão.

Variedades erradamente identificadas com a Gouveio

Hárslevelü, Gouveio Estimado, Gouveio Real, Verdejo, Verdelho e Verdelho da Madeira.

Origens

A Gouveio teve, muito provavelmente, origem nas margens do Rio Sil na Galiza.

Em Portugal, a primeira menção foi realizada por Rui Fernandes, em 1531, no livro “Descrição do terreno duas léguas em roda da cidade de Lamego”, com o nome de Agudelho e Trincadente. Mais tarde, em 1790, Constantino Lacerda Lobo encontra-a no Douro e reporta-a na obra “Memória sobre a Cultura das Vinhas em Portugal”.

No ano de 1822, António Teixeira Gyrão refere a casta no Douro denominando-a Verdelho. Mais tarde, em 1841, o Conde Odart também menciona a casta na obra “Ampelographie Universelle”.

Em Espanha, Casares menciona a casta pela primeira vez com a denominação Verdeja, no ano de 1843.

Características

A Gouveio apresenta um vigor médio/elevado e uma produtividade média. O cacho é pequeno e compacto. O bago é médio e tem uma película medianamente espessa. A casta é medianamente sensível ao oídio e ao míldio. No entanto é muito sensível à Botritis.

Regiões de Maior Relevância e Expansão

Na década de 70 a casta estava praticamente extinta mas fruto alguns produtores de “Valdeorras” conseguiram recuperá-la e granjear-lhe uma enorme popularidade.

Em Espanha, no ano de 2008, a casta estava disseminada por 1153 Hectares, especialmente na região de “Valdeorras”. A Gouveio também se encontra autorizada nas DO de Ribeiro, Ribeira Sacra, Monterrei e Bierzo.

No ano de 2018 estava implantada em 1006 Hectares ocupando cerca de 1% da área total de vinha em Portugal.

A Gouveio encontra-se maioritariamente a Norte de Portugal, especialmente nas regiões de Trás-os-Montes e no Douro, nas quais ocupava 485 e 456 Hectares, respetivamente. Nas terras de Cister a casta ocupava, em 2018, 65 Hectares.

Apesar da forte localização a Norte é provável que a casta também exista noutras regiões assumindo outras denominações.

Credits: Vine to Wine Circle
Credits: Vine to Wine Circle

Parentalidade

A análise ao DNA realizada em 2010 sugere que a casta foi originada pela Verdelho.

Notas de Prova

Os vinhos obtidos assumem as cambiantes da região de origem mas geralmente são cítricos, frutados, muito frescos, muito ácidos e com boa graduação alcoólica.

Fontes

  • Böhm, Jorge (2007), Portugal Vitícola – O Grande Livro das Castas, Chaves Ferreira Publicações, Lisboa
  • Robinson, Jancis; Harding, Julia; Vouillamoz, José (2012), Wine Grapes: A Complete Guide to 1,368 Vine Varieties, including their Origins and Flavours, Penguin Group, Londres
  • https://www.ivv.gov.pt (21 de março de 2020)

Deixe uma resposta