Arinto dos Açores

RIEDEL Mind the Glass

Variedade

Branca

Sinonímia

Terrantez da Terceira e Terrantez

Variedades erradamente identificadas com a Arinto dos Açores

Arinto, Arinto do Douro e Arinto do Interior.

Origens

O nome Arinto parece ser bastante recente, não sendo referido em escritos mais antigos, como na lista apresentada por São Romão (1822), ou na breve descrição das castas açorianas, elaborada por Ernesto Rebello (1885). O nome Arintho aparece, contudo, referido no Relatório dos Serviços Phylloxéricos de 1889 como variedade existente em São Jorge (Barros,1892). Porém, esta casta parece ser uma entidade de conhecimento antigo na região (Silva, 1950), pelo que será de supor que existirá há bastante tempo mas, possivelmente, designada por um nome distinto.
Manuel da Silva (1950), escrevendo sobre as vinhas do Pico, situa a origem da casta na Ilha de São Jorge, colocando-a entre o ‘Verdelho’ e o ‘Boal’ nas suas características e considerando ser esta a casta que maior semelhança apresenta com o ‘Verdelho’.

Características

A Arinto dos Açores é resistente às intempéries e apresenta uma capacidade de produção aliada a uma qualidade enológica semelhante ou até superior à Verdelho.

Parentalidade

Desconhecida

Notas de Prova

Os vinhos desta casta são frutados e muito minerais.

Fontes

  • Sítio da Comissão Vitivinícola dos Açores (12-7-2022)
  • Mestre, Susana; Castas de videira tradicionais dos Açores: notas sobre a sua origem in Ciência Téc. Vitiv. 31(2) 63-72. 2016

Deixe uma resposta